Colunistas

Na dúvida, culpe Hillary

Brett Kavanaugh, indicado à Suprema Corte, testemunha perante o Comitê Judiciário do Senado no Capitólio, em Washington, quinta-feira, 27 de setembro de 2018. (AP Photo / Andrew Harnik, Pool)

Pobre homem branco. Ele não consegue descansar neste país. A capital do país, em particular, está cheia de caras republicanos perseguidos chorando ai. Não menos autoridade em vitimização masculina do que Donald Trump Jr. reclama que teme por seus filhos pequenos.

Em Washington, veja, basta uma estrela pornô tagarela, um Playmate falante ou um microfone aberto para arruinar a reputação de um homem.

Mas não ligue para Don Jr., nunca a faca mais afiada na gaveta.

OPINIÃO

De acordo com o candidato a juiz da Suprema Corte, Brett Kavanaugh, é tudo culpa daquela astuta diabólica Hillary Clinton. Ouvir Kavanaugh contar - e nada menos que sob juramento - todas as coisas ruins ditas sobre ele durante as audiências de confirmação do Senado estão enraizadas na vingança em nome dos Clintons.

O fato de não haver uma partícula de evidência para a última teoria da conspiração de Kavanaugh não deveria surpreender ninguém. Ele e seu ex-chefe Kenneth Starr passaram anos perseguindo fantasmas clintonianos por todo o Arkansas e Washington em uma busca inútil por crimes imaginários de Whitewater antes que Monica Lewinsky (e sua traidora Linda Tripp) os ajudasse a pegar Bill Clinton com as calças abaixadas.

Kavanaugh escreveu memorandos irados para Starr, exigindo que os amantes secretos confessassem cada encontro íntimo com detalhes humilhantes. Ele então ajudou a redigir o Relatório Starr, cujos detalhes obscenos chocaram grande parte do país, mas ainda sem querer permitiu que Bill Clinton se safasse com o que quer que fizesse.

Pornografia dementada para puritanos, como a chamou Diane Sawyer da ABC.

Portanto, é justo que, mesmo enquanto Kavanaugh luta para ganhar a cadeira na Suprema Corte que seu mentor uma vez acreditou ser sua, Starr deveria emergir de seu esconderijo para açoitar seu novo livro, Desprezo: A Memoir of the Clinton Investigation.

Juntos, as acusações chorosas e bombásticas de Kavanaugh e o livro de Starr fornecem um retrato bastante preciso de quem eles são - e por que partidários dogmáticos como eles não têm negócios na Suprema Corte.

Quando visto pela última vez em público, as fotos de Starr o mostravam em uma roupa de líder de torcida levando o time de futebol da Baylor University para o campo. Ele parecia um absurdo. Infelizmente, os curadores da escola demitiram o então presidente Starr em 2016 por sua abordagem sem-ver o mal para ataques sexuais de atletas no campus da escola do Texas. Ele voltou a Washington com sua carreira profissional em ruínas.

domingo, hora do debate presidencial

Daí o desprezo, uma arenga diretamente na tradição literária de Ann Coulter / Rush Limbaugh, ou seja, difamações desavergonhadas e isentas de fatos dos democratas, especialmente aqueles chamados Clinton. Por exemplo, Starr agora nos diz que ele e seus brilhantes promotores (que conseguiram perder três dos quatro casos criminais que julgaram) pensaram seriamente em processar Hillary Clinton por perjúrio.

Exatamente como a equipe de Starr de vazadores assíduos, Brett Kavanaugh, proeminente entre eles, continuou dizendo aos repórteres durante a corrida para a eleição presidencial de 1996. Naquela época, a alardeada mídia dominante basicamente aceitava o ditado. Qualquer pessoa como eu que leu os interrogatórios reais de Hillary em Whitewater não teve escrúpulos em prever que ela não seria acusada. Na verdade, a ideia foi discretamente abandonada logo após a reeleição do presidente Clinton.

Ainda se escondendo por trás do sigilo do grande júri, Starr agora afirma que Hillary foi uma testemunha inacreditável clássica. Ele a chama de fria, indiferente, presunçosa e desdenhosa. Resumindo, uma vadia. Não é um crime, Meritíssimo. Na verdade, vindo de um espécime certinho como Starr, parece-me praticamente um endosso.

No espaço de três horas, Starr escreve, ela afirmou, pela nossa contagem, mais de cem vezes que 'não se lembrava' ou 'não lembrava'. Isso sugeria uma mentira absoluta. Com certeza, a memória humana é notoriamente falível, mas seu desempenho tenso nos pareceu absurdo.

Dificilmente alguém que assistiu às 11 horas de testemunho de Benghazi de Hillary Clinton na televisão em 2016 poderia considerar essa alegação verossímil. Hillary sabe as respostas e não dá fundamento. Ela também nunca chorou. Isso é o que caras como Starr e Kavanaugh mais odeiam nela.

Tendo tido a vantagem adicional de assistir os ineptos promotores de Starr não conseguirem condenar Susan McDougal por obstruir a justiça em 1999, também suspeito que eles fizeram um monte de perguntas sem sentido a Hillary. No julgamento de McDougal, uma linha de questionamento a desafiou sobre um cheque administrativo misteriosamente marcado como pagamento de Clinton.

Ela chamou a atenção deles para um trato imobiliário em Clinton, Arkansas (Condado de Van Buren), que nada tinha a ver com Whitewater. As estrelas da Ivy League de Starr haviam deixado a bola cair. Para bobagens como essa, eles exibiram McDougal por todo o país acorrentado.

No que se refere aos Clintons, Whitewater nunca foi nada além de uma teoria da conspiração partidária. Corrija os erros e preencha os espaços em branco, e tudo virou fumaça. Eles vendem essas coisas há 25 anos, sem sequer uma condenação por multa de estacionamento, mas o público Limbaugh / Coulter / Starr nunca se cansa de The Bitch Chronicles.

Enquanto isso, Brett Kavanaugh estava passando dois anos fúteis sob a tutela de Starr, atormentando a família enlutada de Vince Foster em uma aparente tentativa de implicar Hillary no suicídio de seu querido amigo e ex-parceiro de advocacia.

Então, não, simplesmente não tenho tempo para as lágrimas do bebê chorão.

Envie cartas para: letters@suntimes.com.