África Do Oriente Médio

Líder do Boko Haram da Nigéria alega massacre de Baga

O reconhecimento do líder dos extremistas islâmicos da Nigéria vem em um vídeo postado no YouTube

Esta imagem de satélite tirada na sexta-feira, 2 de janeiro de 2015 e divulgada pela Amnistia Internacional da aldeia de Doron Baga no nordeste da Nigéria, mostra antes de ter sido alegadamente atacada por membros do grupo extremista islâmico Boko Haram. Imagens de satélite que mostram a destruição generalizada em duas cidades nigerianas que foram recentemente atacadas por extremistas islâmicos foram divulgadas na quinta-feira, 15 de janeiro, por um grupo internacional de direitos humanos, a Amnistia Internacional, divulgou imagens detalhadas de Baga e Doron Baga, tiradas antes e depois do ataque no início deste mês, que mostram que mais de 3.700 estruturas foram danificadas ou completamente destruídas. As imagens foram tiradas em 2 e 7 de janeiro, disse a Anistia Internacional. (Fonte: AP Photo / Micah Farfour, DigitalGlobe via Amnistia Internacional)Esta imagem de satélite tirada na sexta-feira, 2 de janeiro de 2015 e divulgada pela Amnistia Internacional da aldeia de Doron Baga no nordeste da Nigéria, mostra antes de ter sido alegadamente atacada por membros do grupo extremista islâmico Boko Haram. (Fonte: AP Photo / Micah Farfour, DigitalGlobe via Amnistia Internacional)

O líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, assumiu a responsabilidade pelos assassinatos em massa na cidade de Baga, no nordeste da Nigéria, e ameaçou com mais violência.

O reconhecimento do líder dos extremistas islâmicos da Nigéria vem em um vídeo postado no YouTube na terça-feira, no mesmo dia em que a promotora do Tribunal Penal Internacional Fatou Bensouda disse que está examinando as alegações e processará os maiores responsáveis ​​pelos crimes de guerra.

De acordo com uma tradução do árabe fornecida pelo SITE Intelligence Group, Shekau diz: Nós é que lutamos contra o povo de Baga e os matamos com esse tipo de matança.

A Amnistia Internacional afirma que cerca de 2.000 civis foram mortos e 3.700 casas e empresas destruídas no ataque de 3 de janeiro. Baga e uma base militar importante permanecem sob o controle do Boko Haram.