Dança

Carla Fracci, bailarina do La Scala, morre aos 84 anos

O teatro de Milão relembrou a ascensão do conto de fadas da filha de um motorista de bonde que, por talento, obstinação e trabalho se tornou a bailarina mais famosa do mundo.

Katie Rich Barron Trump
A bailarina italiana Carla Fracci posa ao comparecer à apresentação do ‘Festival Stradivari’ em Milão, Itália, terça-feira, 4 de julho de 2017.

A bailarina italiana Carla Fracci posa ao comparecer à apresentação do Festival Stradivari em Milão, Itália, em 2017.

AP

MILÃO - Carla Fracci, um ícone cultural italiano e ex-bailarina do La Scala famosa por papéis românticos ao lado de grandes nomes como Rudolf Nureyev e Mikhail Baryshnikov, morreu quinta-feira em sua casa em Milão. Ela tinha 84 anos.

O teatro La Scala anunciou sua morte com grande tristeza, sem apresentar uma causa. Notícias da imprensa italiana disseram que ela estava lutando contra o câncer.

O teatro milanês relembrou a ascensão de conto de fadas da filha de um condutor de bonde que, por talento, obstinação e trabalho se tornou a bailarina mais famosa do mundo, inspirou gerações de jovens, e não apenas no mundo da dança.

Carla Fracci foi uma figura cardeal na história da dança e do Scala, mas também uma referência para a cidade de Milão e a cultura italiana, informou o teatro em um comunicado.

Fracci nasceu em Milão em 20 de agosto de 1936 e passou a Segunda Guerra Mundial com parentes no campo para escapar do bombardeio frequente da capital industrializada da Lombardia. Em uma entrevista recente à Sky TG24, Fracci descreveu-se mais jovem como uma agricultora, que não sabia nada de teatro ou do mundo da dança, muito menos daqueles sapatinhos.

Mas depois da guerra, um observador comentou sobre sua graça e musicalidade, recomendando que ela fizesse um teste para a academia do La Scala.

Ela foi aceita aos 10 anos, pegando o bonde de seu pai todos os dias para a academia, e se formou em 1954, aos 18 anos. Sua primeira aparição no palco foi em 1955 com outros alunos de balé formados no encerramento de uma encenação de La sonnambula de Bellini conduzida por Leonard Bernstein, dirigido por Luchino Visconti e iniciando Maria Callas.

Ela teve sua primeira chance substituindo a dançarina francesa Violette Verdi em Cinderela no mesmo ano, e em 1958 havia subido ao papel de primeira bailarina.

Sua fama mundial espalhou-se imediatamente, com convites para o Royal Festival Hall, seguidos de portas se abrindo nos Estados Unidos, mesmo mantendo um papel central no La Scala. Ela foi mais identificada com o papel de Giselle, que dançou com Nureyev e Baryshnikov, bem como com a estrela dinamarquesa Erik Bruhn.

Sócios posteriores incluíam Roberto Bolle do próprio La Scala, que se lembrava de Fracci por sua generosidade humana.

Ela dançou pela última vez no La Scala em 2000, no papel de Luce em Excelsior. Ela foi convidada a voltar em janeiro deste ano para dar uma masterclass sobre Giselle, que foi transmitida nos canais de mídia social do La Scala e faz parte de um documentário da televisão estatal RAI.

daryl saindo morto-vivo

Foi muito comovente estar de volta ao La Scala, depois de mais de 20 anos, ela disse ao SKY TG24.

Fracci deixa seu marido de 57 anos, o diretor de teatro Beppe Menegatti, e seu filho, Francesco Menegatti.